Implante de DIU

Dispositivo Intrauterino, popularmente chamado de DIU, é considerado um dos métodos contraceptivos mais eficazes hoje do mercado. Ele é composto por uma pequena haste, em formato de T ou Y, que é inserido no útero das mulheres que não desejam engravidar.

De modo simples, o DIU libera substâncias que impedem que os espermatozóides fecundem o óvulo da mulher. Geralmente, o dispositivo funciona por anos, e também é indicado para mulheres que não desejam ou não podem fazer uso do estrogênio, principal hormônio responsável pelas características sexuais femininas. 

O DIU passou a ser tão popular quanto a camisinha, pois é um método que não requer uma atenção diária das mulheres. Além disso, apresenta poucos efeitos colaterais e todos eles reversíveis. O dispositivo também é vantajoso para as mulheres que possam mudar de ideia com o passar do tempo. Assim que retirado o DIU, a mulher pode tentar engravidar imediatamente sem nenhum fator de impedimento. 

Além disso, apresenta poucos efeitos colaterais e todos eles reversíveis. O dispositivo também é vantajoso para as mulheres que possam mudar de ideia com o passar do tempo.

Quais são os tipos de DIU? 

  • DIU de cobre: é feito de plástico, mas revestido com cobre;

  • DIU de prata: é feito de plástico e revestido por prata e cobre;

  • DIU hormonal: contém um hormônio, o levonorgestrel, que vai sendo liberado no útero após a sua inserção.

 

Quem pode colocar o DIU? 

Mulheres acima de 14 anos, sexualmente ativas e que não apresentam risco de terem infecções na região pélvica. É importante consultar o ginecologista para avaliar avaliação e solicitação de exames.

Quem não pode colocar o DIU? 

Mulheres grávidas (ou com suspeita de gravidez), diagnosticadas com câncer uterino, infecção ginecológica ativa ou que apresentam anormalidades no útero ou sangramentos sem causas conhecidas. 

Mulheres que apresentam alergia ao cobre não podem fazer uso do DIU correspondente, assim como mulheres que tiveram doenças mamárias ou hepáticas, não podem fazer uso do DIU de mirena, por conta da liberação de hormônios.

O DIU deve ser inserido por um profissional de confiança e que conheça o histórico de saúde da paciente.