Alergologia

alergologista é o médico habilitado para tratar clinicamente as doenças de origem alérgica. Este profissional se dedica tanto ao tratamento como à prevenção de inúmeras patologias desse cunho.

Embora as alergias respiratórias, como a rinite, por exemplo, sejam as mais lembradas, as alergias alimentares e oftálmicas também fazem parte da lista de problemas de saúde que o especialista se dedica a tratar.

Entretanto, o papel do alergologista não se limita ao diagnóstico de alergias – o tratamento e gerenciamento das doenças também são conduzidos pelo profissional.

O médico alergologista atua de forma complementar com outros profissionais da saúde de modo a oferecer um tratamento mais completo aos seus pacientes e a consequente melhora de sua qualidade de vida. 

Além disso, ele atua na educação dos enfermos e familiares, dando valiosas informações sobre como prevenir crises, conviver com uma doença alérgica e ter conforto no dia a dia. Esse auxílio inclui técnicas de prevenção de quadros alérgicos, uso de imunoterapia e dicas para evitar os fatores alérgenos e fazer controle ambiental, visando o bem-estar do paciente e a continuidade dos seus afazeres e compromissos diários.

Quais são as doenças mais comuns e famosas tratadas pela alergologia?

O alergologista trata as patologias que acometem o sistema imunológico desencadeadas por fatores alérgicos. Existem muitas doenças que são classificadas como alergia. Dentre elas, as mais comuns são a asma, rinite, dermatite atópica, alergia alimentar e hipersensibilidade a venenos de insetos.

Como em tantas outras enfermidades, o sucesso do tratamento depende da velocidade do diagnóstico e dos cuidados dedicados, afinal essa agilidade é um fator diferencial para melhorar a qualidade de vida dos pacientes e evitar futuros episódios.

As doenças alérgicas podem ser agrupadas de acordo com a localização ou com os mecanismos que são atacados. As principais classificações incluem os seguintes grupos:

  • Alimentares: certos alimentos podem desencadear alergias, dependendo do organismo dos indivíduos. As manifestações alérgicas de cunho alimentar resultam em vômitos, diarreias, manchas pelo corpo e reações mais graves, como o choque anafilático, que pode levar ao óbito;

  • Oculares: as doenças alérgicas também podem ser oculares, como é o caso da conjuntivite alérgica que pode causar diversos problemas na visão e provocar irritação, coceira, vermelhidão extrema e lacrimejamento;

  • Pele: esse grupo de alergia pode ter diferentes fatores desencadeantes, que incluem o uso de perfumes e cremes e as picadas de insetos – os sintomas mais comuns são as lesões na pele e a coceira;

  • Respiratórias: as alergias respiratórias costumam ocorrer devido a uma hipersensibilidade a diferentes fatores, como ácaros, poeira, mudanças climáticas e pelos de animais. Elas provocam coceira na garganta e no nariz, espirros e coriza constantes, tosse e dificuldade para respirar.

A prevalência crescente das doenças alérgicas, o seu impacto no bem-estar individual e coletivo e o prejuízo social associado a elas corroboram para a necessidade de opções terapêuticas e de profissionais capacitados para encarar o desafio de tratar os sintomas e ônus dessas condições.

Embora nem todos os casos tenham uma cura, há formas de controlar as crises, aliviar os sintomas e proporcionar mais conforto aos alérgicos. Para isso, é importante conhecer mais sobre as doenças que o alergologista trata.